top of page
  • Foto do escritorsidhamoitinho

7 DICAS CONTRA A DEPRESSÃO PERSISTENTE

Atualizado: 20 de ago. de 2023



Mudar de psiquiatra ou profissional de saúde mental é uma decisão que pode ser considerada em determinadas situações, especialmente quando um paciente não está apresentando melhora significativa após um longo período de tratamento com um único profissional. Lembre-se de que não sou profissional de saúde mental. Minha formação é em Coaching Integral Sistêmico, uma abordagem terapêutica distinta da psicoterapia. Vou compartilhar informações baseadas em pesquisa, mas considere novos estudos. Ao pensar em trocar de psiquiatra, considere estes pontos:

  1. Segunda Opinião: Consultar outro profissional pode trazer uma nova perspectiva sobre o diagnóstico e tratamento. Diferentes psiquiatras podem ter experiências e abordagens variadas, o que pode levar a uma revisão mais completa da situação.

  2. Atualização do Tratamento: Um novo psiquiatra pode trazer novas informações sobre opções de tratamento mais recentes, considerando avanços na pesquisa e no campo da psiquiatria.

  3. Avaliação Completa: Um psiquiatra novo pode conduzir uma avaliação abrangente do histórico do paciente, levando em conta possíveis fatores que podem ter sido negligenciados anteriormente.

  4. Empatia e Conexão: A relação entre paciente e psiquiatra é importante. Se o paciente sente que não está recebendo o apoio necessário ou não há uma conexão adequada com o psiquiatra atual, pode ser benéfico procurar um profissional com o qual se sinta mais à vontade.

  5. Exploração de Novas Alternativas: Um novo psiquiatra pode estar mais aberto a explorar diferentes opções de tratamento, como terapias complementares, abordagens combinadas de medicamentos e terapia, ou outras abordagens que podem não ter sido consideradas anteriormente.

  6. Reavaliação do Diagnóstico: A depressão pode ser complexa e se sobrepor a outras condições. Um novo psiquiatra pode reavaliar o diagnóstico, levando em conta possíveis comorbidades ou fatores subjacentes.

  7. Aderência ao Tratamento: Mudar de profissional pode renovar o compromisso do paciente com o tratamento, proporcionando uma nova perspectiva e motivação para se concentrar em melhorar.

Lembre-se de que mudar de psiquiatra não é uma decisão a ser tomada levianamente. É importante comunicar abertamente ao psiquiatra atual sobre as preocupações e dúvidas, para que ele tenha a oportunidade de ajustar o plano de tratamento ou fornecer uma explicação mais clara das abordagens utilizadas. Além disso, consultar um profissional de saúde mental experiente, como um psicólogo, também pode ser benéfico para obter orientações adicionais sobre as melhores opções a serem consideradas. Se gostou deste tema, comente, deixe seu amei, compartilhe. Tem sempre alguém precisando de ajuda! :)

35 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare


bottom of page